sábado, novembro 07, 2009

Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir
dos modos possíveis.


Eu consisto,
eu consisto,


amen.
 
 
imagem: Ana Mendieta
texto: C. Lispector

6 comentários:

observatory disse...

god vera

vera. disse...

blasfémia...:)

terrasonora@portugalmail.pt disse...

A ed. Pluma Branca tem o prazer de anunciar o lançamento para o mês de Dezembro, o lançamento de um livro que promete revolucionar...

www.terrasonora-nunoviana.blogspot.com

merdinhas disse...

amen.

Primeira Pessoa disse...

Ana Salomé,
adoro os seus blogs.
Uma pessoa que me é muito especial me apresentou Al Berto... perdoe a ignorância... eu sabia tão pouco da poesia portuguesa... e tomei um susto!)...
suas coisas são muito bem construídas... seus poemas (seus, Ana Salomé... já não falo de Al Berto) demonstram lastro, sensibilidade... profundidade...
na ponta da sua língua e de poemas iguais aos que você gera, está o futuro da poesia em língua portuguesa.
Te celebro.
em azul.
abraço grande e admiração do

Roberto.

merdinhas disse...

V.

Diz-me o que achas de C. Lispector.
Li há pouco "Uma maçã no escuro"
Estou a fazer uma digestão lenta.