sexta-feira, agosto 31, 2007



[...]
Eu não passo de um homem vulgar que percebeu umas tantas coisas, mas não compreende tantas outras. Entre as coisas que não percebo estão a estupidez do mundo e a maldade. É de banalidades que eu vivo. A banalidade tem o dom de ser verdadeira.
[...]
As pessoas já não têm humor. O humor é um certo desapego. E quando não se quer ter desapego já não se compreende. Não se compreende nada sem desapego.
[...]

Eugène Ionesco*

*excertos de uma entrevista conduzida por Graça Lobo, publicada na revista K, nº2, Novembro de 1990

6 comentários:

Mauricio disse...

Muito bom, sempre!

abraços a todos

art&tal disse...

sem espinhas

desapego...

butterfly disse...

Um blog colectivo que não vou perder.
Um abraço

luis pequeno rapaz indio disse...

calmo e belo
um blog muito bom.

Devir disse...

Wim's of Desire can change perspectives.

Amei. Amo. Amarei? O rinoceronte.

[A] disse...

:) podem não podem?